Atalhos

Custos “afundados”


Os economistas utilizam a expressão sunk costs (custos “afundados”*) para designar custos que não são recuperáveis (e.g., se comprar um pacote de pipocas dificilmente conseguirá voltar a vendê-lo), excepto em casos limite. Este conceito é muito importante nas nossas decisões, pois como os sunk costs representam custos que não vamos conseguir recuperar, termos incorrido nos mesmos não deve afectar as nossas decisões futuras.

Imagine que comprou uns sapatos por €100, mas ao fim de algum tempo apercebe-se que lhe ficam apertados. Continua a usá-los? E se os sapatos lhe tivessem sido oferecidos, a sua decisão mudaria? Como os €100 dos sapatos não são recuperáveis, a sua decisão devia ser a mesma, independentemente de ter comprado os sapatos ou de os mesmos lhe terem sido oferecidos.

Outro exemplo. Tem uma pizza enorme à sua frente e só comeu uma fatia e já está cheio. Comia mais fatias se tivesse sido comprada por si? E se a pizza lhe tivesse sido oferecida? De facto, não interessa: em qualquer dos casos deveria agir da mesma forma.

O conceito dos sunk costs é realmente interessante e pode ser aplicado a inúmeros casos e, se pensar nisso, pode ajudar a tomada de decisões. A ideia é ignorar estes custos, pois não devem ser contemplados na análise da decisão a tomar. Alguns casos em que esta abordagem pode ser útil:

  • Vendeu umas acções. Quando pensar o que vai fazer com o dinheiro deve ignorar o facto de ter ganho ou perdido dinheiro na venda das mesmas, mas apenas com a sua situação actual.
  • Estragou-se um electrodoméstico. Quando pensar se manda arranjar ou se compra um novo, deve apenas ter em conta o custo que vai ter em cada opção, não quanto lhe custou originalmente o electrodoméstico avariado.
  • Tem um bilhete para um espectáculo ao ar livre e está a chover. Deve pensar qual seria a sua decisão se tivesse sido oferecido e agir dessa forma.

Em resumo: quando se deparar com uma decisão que envolva custos passados, pare um segundo e pense se é possível recuperar esses custos. Se tal não for possível, tratam-se de sunk costs e logo não devem ser factor influenciador da decisão.

Alguém consegue relatar situações reais em que este conceito se aplicou/aplicasse?

*Não estou certo que a tradução seja exactamente esta.

Última actualização: 24/11/2014

Partilhe:

, ,

5 comentários a Custos “afundados”

  1. TralhasGratis Fevereiro 15, 2008 at 15:48 #

    sunk significa como que “descido”… por isso, acho que a melhor traducao sera stranded cost (outro nome para sunk cost), ou seja “encalhado”. Porque na verdade é isso que acontece! O dinheiro ficou ali e ponto final.

    • Jefferson Novembro 24, 2014 at 19:42 #

      Tomando como exemplo outra expressão “custos irrecuperáveis”, eu acho o nome Sunk costs muito apropriado.

  2. Pedro Pais Fevereiro 17, 2008 at 23:38 #

    TralhasGratis,

    Por acaso até estive a consultar o meu livro de microeconomia e o termo é mesmo custos “afundados”. É estranho, mas parece que é isso.

  3. Tânia Novembro 6, 2008 at 17:05 #

    estava a fazer uma breve pesquisa sobre este tema para completar o estudo da minha disciplina de Economia e achei este blog muito interessante. de facto, na faculdade ensinaram-me que se chamam mesmo custos afundados.
    gostei muito dos exemplos que apresentou.

  4. Renato Borges Outubro 1, 2010 at 19:27 #

    Bem, acredito que esse conceito pode ser aplicado em gerenciamento de projetos. Aquele tipo de custo que não pode mais ser levado em conta para planejamento futuro. Já foi! É resultado da diferença entre o valor total alocado e o valor que ainda se pode gastar.
    Forte Abraço!

Deixar uma resposta

FinancasPessoais.pt

Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

Não mostrar mais esta caixa