Atalhos

Taxa [quase] zero


Passar um cheque

Ao longo do ano existem vários espaços comerciais a oferecer aos seus clientes a possibilidade de pagarem as suas compras a crédito. No Natal essa tendência acentua-se, dado o enorme espírito consumista associado à época, tal como se acentuam as ofertas de pagamentos sem juros.

A hipótese de pagarmos um determinado bem a prestações sem juros é óptima, desde que não sirva para gastos desnecessários. É um empréstimo gratuito que recebemos e podemos aproveitar para mantermos o nosso dinheiro investido durante mais tempo. Contudo, é preciso ter cuidado com as taxas zero que não são bem zero.

Em boa verdade, em muitos casos o que aparece em letras gordas é “0% de juros”, mas numa letra bem mais pequena aparece qualquer coisa como “x% TAEG”, em que x é maior que zero. É na TAEG (Taxa Anual Efectiva Global) que devemos concentrar a nossa atenção, pois representa o custo total de um crédito ao consumidor, incluindo seguros, despesas, impostos, juros e afins.

Olhando para a TAEG é mais fácil. Se a TAEG for 0%, é boa ideia comprar a crédito, se a TAEG for maior que zero, então é melhor pensar com mais cuidado.

Última actualização: 24/11/2014

Partilhe:

15 comentários a Taxa [quase] zero

  1. joao Dezembro 21, 2007 at 15:53 #

    Concordo com o Pedro que se puder-mos pagar a crédito da taxa 0% é preferível em vez de pagar a pronto. No entanto se for para ter o dinheiro que gastaria nesse bem numa conta a ordem sem trazer rendimento, então é indiferente.

    Se tiver 1000 euros disponíveis, e quiser comprar um bem que custa 1000 euros, mas o vendedor me der a possibilidade de pagar em 10 meses sem juros (mensalidade = 1000/10 = 100 euros/mes) então opto por comprar a credito com 0% juros. No entanto tenho de encontrar um activo que me cubra as taxas de abertura de crédito para realmente compensar e colocar lá os 1000 euros.
    às vezes é uma questão de fazer contas.

  2. Luis MD Fevereiro 10, 2008 at 2:47 #

    Estou a pensar comprar uma habitação própria, tenho algumas economias que me permite comprar a pronto. A minha pergunta vai um pouco no sentido de alguns comentários, o que é aconselhável, comprar a pronto, a crédito, ou pagar metade e pedir um crédito da outra metade?

  3. Pedro Pais Fevereiro 10, 2008 at 14:05 #

    Luis,

    Normalmente a preferência é utilizar o pagar a pronto o máximo possível, tendo em conta que deve guardar o dinheiro que pensa que lhe vai fazer falta brevemente (2-3 anos). Desta forma vai poupar MUITO dinheiro em juros e preocupações.

    A única excepção é se conseguir aplicar o dinheiro num investimento que lhe traga um retorno superior à taxa de juro que irá pagar no crédito. Mas nestes casos estamos já a incluir uma componente de risco que pode não querer assumir.

  4. Luis MD Fevereiro 11, 2008 at 8:39 #

    Pois, nos dias que correm não é aconselhável assumir tal risco, o mais indicado será proceder da forma como me aconselhou.

    Muito obrigado pela sua resposta,
    Abraço

  5. Pedro Pais Fevereiro 11, 2008 at 21:33 #

    Luis, é um prazer.

    Se precisar de mais alguma informação, esteja à vontade.

Deixar uma resposta

FinancasPessoais.pt

Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

Não mostrar mais esta caixa