Atalhos

A realidade dos seguros de saúde



Sobre os seguros de saúde, tal como sobre todos os outros seguros, existem duas perspectivas:

  • A do segurado
  • A da seguradora

Perspectiva 1: O segurado espera que a poupança (o capital reembolsado, portanto) seja superior ao prémio do seguro. Nesta situação ganha o segurado, perde a seguradora.

Perspectiva 2: A seguradora espera que o capital a reembolsar ao segurado seja inferior ao prémio do seguro. Nesta situação ganha a seguradora, perde o segurado.

Caso a Perspectiva 1 se prolongue, adivinhe o que vai acontecer. A seguradora, sabendo que consistentemente perde dinheiro com o segurado ou não renova a apólice ou então aumenta substancialmente o prémio. Resultado, o segurado vai perder.

Caso a Perspectiva 2 se prolongue (e que é o que normalmente acontece), o segurado perde. Por outro lado, o segurado pode fartar-se da situação e terminar a apólice – neste caso perde a seguradora.

Como facilmente se conclui, este é um jogo em que dificilmente os dois intervenientes ganham, tal só sucedendo em casos muito particulares (quando a poupança do segurado em despesas médicas é superior ao prémio pago, mas o capital reembolsado pela seguradora é inferior ao prémio).

A juntar a esta realidade estão ainda os outros fantasmas dos seguros de saúde:

  • Períodos de carência
  • Idades limite
  • Doenças suportadas
  • Capital disponível
  • Autorizações e pré-autorizações

Dado que as seguradoras são conhecidas pela sua solidez financeira, acredite que no longo prazo raramente compensa ter seguro de saúde. Excepto, claro, se não formos nós a pagar (e.g. seguro de saúde oferecido pela entidade empregadora).

Nos próximos dias falarei aqui de um outro seguro de saúde, diferente dos tradicionais e que, não sendo perfeito, tem uma lógica que beneficia seguradora, segurado e mesmo entidades médicas em simultâneo.

Última actualização: 02/02/2017

Partilhe:

, , , ,

23 comentários a A realidade dos seguros de saúde

  1. mena Setembro 9, 2010 at 23:20 #

    boa noite

    tenho ADSE, e 55 anos, será vantajoso subscrever um seguro saúde?

    Obrigada

  2. Joao Dezembro 3, 2010 at 22:13 #

    Caro Pedro,

    Com o devido respeito, esta sua mensagem não me parece muito lógica.

    Claro que as seguradoras ganham dinheiro porque em 10 só 2 vão usar o seguro de saúde, os restantes ficam a perder… mas nós compramos o seguro de saúde porque podemos estar nesses 2. Compramos segurança.

    Sinceramente não vejo qualquer sentido lógico no que escreve.

  3. Pedro Pais Dezembro 4, 2010 at 22:22 #

    @João,

    O problema é que não compra segurança, pelo menos quando precisar a sério de cuidados de saúde.

    Ainda que dum ponto de vista global tenha razão, quando estamos a falar de um caso individual, qual é o incentivo de uma seguradora manter um cliente que, tendo contraído uma doença crónica, lhe dá mais prejuízo que lucro? A verdade é que não tem nenhum incentivo, pelo que a médio prazo o prémio do seguro torna-se proibitivo ou a seguradora não renova a apólice.

    Note que este caso não é como um seguro automóvel. Num seguro automóvel o segurado pode até vir a ter um acidente, mas é uma ocasião pontual. Uma doença, por outro lado, pode afectar o resto da vida ou um grande número de anos.

Deixe uma resposta

FinancasPessoais.pt

Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

Não mostrar mais esta caixa