Atalhos

Tolerância à perda

Para se ser um bom investidor, ter uma consciência clara da nossa tolerância à perda é fundamental.

Vários investimentos financeiros são bastante voláteis (i.e., num ano podem valorizar muito, noutro desvalorizar tanto ou mais), e quando se define uma estratégia de investimento de longo prazo (como defendemos), não ter presente que as perdas potenciais se podem concretizar pode comprometer o objectivo do investimento.

A título de exemplo, quem investir de forma significativa em mercados emergentes deverá ter presente que é um tipo de investimento que está sujeito a oscilações de preço muito significativas (e.g., +15% num ano, -20% no ano seguinte e +12% no outro ano). Vender/realizar o investimento num determinado ano só porque teve uma elevada desvalorização (o que era esperado), mostraria uma fraca consciência da tolerância à perda, ou seja, um desencontro entre a perda que se pensava conseguir tolerar e a perda efectivamente suportada.

Claro que se pode alegar que é preferível vender um investimento que está a desvalorizar antes que desvalorize mais (ou vender um investimento que está a valorizar antes que comece a desvalorizar), mas diversos estudos comprovam que a esmagadora maioria dos investidores, incluindo profissionais, são péssimos a prever o comportamento do mercado e as decisões de market timing acabam por trazer prejuízo.

O principal problema do tema da tolerância à perda, é que enquanto não passa de uma questão teórica e/ou não existirem perdas concretas, parece fácil “aguentar” as perdas possíveis. Quando a perda é real, aí é que é o verdadeiro teste.

Na nossa opinião, não há forma de conhecer a nossa real tolerância à perda sem investir dinheiro real e enfrentar uma desvalorização. Assim, recomendamos que qualquer estratégia de investimento seja inicialmente implementada através de baixos montantes, especialmente para os investidores iniciados, o que ajudará a perceber na pele o impacto real da volatibilidade.

Tem ou teve investimentos com perdas significativas? Qual a sua reacção e como se compara com o que tinha definido? Partilhe a sua experiência através dos comentários.

Última actualização: 25/09/2014

Partilhe:

,

4 comentários a Tolerância à perda

  1. marco Setembro 25, 2014 at 11:32 #

    Viva Pedro, mais uma vez.

    Um investidor em produtos anunciados, nunca saberá a sua tolerância ao risco, porquê?

    Muito simples:
    – não percebe nada de mercados;
    – guia-se por relatórios muito pouco transparentes;
    – os próprios produtos financeiros não fogem á regra de perdedores, pois a maioria é bluff, muito markeing e pouco trabalho;
    – os fornecedores de produtos andam á cata de comissões, e se tiverem sorte podem rentabilizar, pois o dinheiro não cresce diáriamente no mercado;
    – os senhores “bancários” que anunciam o ilusionismo, não percebem nada de mercados, se não estavam calados e trabalhavam para eles prórpios;
    – nunca vi um statement de um fundo ( saber realmente o que foi vendido e comprado a que horas, que provedor de liquidez,etc,etc,etc,para dar aquele resultado final).

    É preciso praticar a perda e o ganho para conseguir-mos evoluir na nossa tolerância a perdas e ganhos(muito mais psicológico que técnico)

    Milagres não existem, nunca existiram, nem tão pouco se podem dar certezas futurologistas.

    Investimentos de alto risco não são compativeis com a maior parte da população que lá investe “de olhos fechados”.

    Cumprimentos do Porto

    Marco Henriques

    • Pedro Pais Setembro 25, 2014 at 11:56 #

      Olá Marco. Obrigado pelo contributo.

  2. Carlos2008 Setembro 25, 2014 at 17:56 #

    investi 100k euros num seguro de capitalização em 2006, o qual valorizou bastante bem até à chegada da crise, desvalorizando súbitamente a partir de 2008, tendo chegado a percas de cerca de 26%. Tive amigos meus que, nessa altura e na mesma aplicação, entraram em pânico e resgataram tudo com percas de mais de 20k euros. Eu optei por manter sem resgatar 1cêntimo e hoje, finalmente, recuperei o investimento inicial ( com a perca da inflação…) e pela sua evolução estou a ver que vou acabar com ganhos razoáveis na sua maturidade. Considero que tive boa tolerância à perca pois considero-me um investidor de longo prazo e tolerante à oscilação dos mercados – qualquer investimento só pode ser visto assim e quem não entender isso só pode investir em depósitos ou certificados de aforro. Concordo com o comentário anterior de que a maior parte das pessoas não sabe bem o que compra – mas a melhor regra é espalhar os ovos por vários cestos, sejam bancos ou produtos !

  3. Vigário Outubro 13, 2014 at 9:59 #

    Boas,

    Eu sou um rapaz novo e entrei a pouco tempo no mundo dos bancos, estou ainda a tentar perceber algumas coisas como por exemplo as TANB e TANL (já sei o que são), mas agora ando um pouco preocupado em escolher uma conta a prazo para investir o meu dinheiro, tenho a noção de que os juros são baixos e que não ganharei algo de estrondoso, mas ao menos ganho um bocado, se me pudesse dar uma opinião ou uma sugestão para eu começar a investir algum dinheiro meu ficaria-lhe muito grato.

    Cumprimentos,
    João Vigário

Deixe uma resposta

FinancasPessoais.pt

Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

Não mostrar mais esta caixa